Ciclone extratropical influencia Sul do Brasil

Ciclone extratropical influencia Sul do Brasil

Entre a terça e a quarta-feira, dias 02 e 03 de fevereiro, uma área de baixa pressão que atua no interior do continente avança em direção ao litoral e se aprofunda provocando chuva intensa no Rio Grande do Sul, já na quarta-feira, como indicado nas figuras abaixo.

Posicionamento dos sistemas meteorológicos entre os dias 2 e 3 de fevereiro indicando a baixa pressão avançando em direção ao litoral:

Acumulado de chuva no dia 3 de fevereiro, próxima quarta-feira:

O vento sopra moderado na quarta-feira, com rajadas entre 30 e 50km/h no Rio Grande do Sul.

Na quinta-feira, a presença do Ciclone extratropical provoca muita chuva no centro-leste gaúcho. Os maiores acumulados, ficam entre 80 e 100mm no centro-leste e no nordeste gaúcho, como indicado abaixo:

Ciclogênese:

Ainda na noite de quarta-feira (3), a baixa pressão que já atua no litoral do Rio Grande do Sul se intensifica e na madrugada de quinta-feira, dia 4 de fevereiro, já pode ser visualizada como um ciclone extratropical, como indicado abaixo:

Ainda na madrugada e manhã de quinta (4), as rajadas de vento são intensas no sul e leste do Rio Grande do Sul, soprando por volta de 50km/h. Ao longo do dia, as rajadas de vento aumentam de intensidade e chegam a 80km no sul e no leste do Rio Grande do Sul. Nas demais áreas gaúchas e no sul e no litoral de Santa Catarina, há previsão de rajadas entre 50 e 70km/h. Em mar aberto, nas áreas próximas ao centro do ciclone são esperadas rajadas por volta de 100km/h.

Na sexta-feira (5), o ciclone extratropical ainda atua no oceano, ao largo do litoral do Rio Grande do Sul. O vento ainda é intenso no sul e no leste gaúcho com rajadas de vento entre 50 e 70km/h. Em alto mar a situação ainda indica ventos próximos de 100km/h.

A partir de sábado, o ciclone extratropical já mais afastado da costa e enfraquecido passa a influenciar com menor intensidade o continente.

Mar agitado:

A presença do ciclone extratropical provoca vento forte sobre o oceano. O vento soprando intenso e persistente sobre o mar, forma as ondas que deixam o mar agitado a partir da noite de quinta-feira, nas praias do Sul.

A ondulação do mar é de sudeste, e a altura das ondas nas praias do Rio Grande do Sul e do sul de Santa Catarina, chega a 3 metros na sexta-feira (5). No decorrer do dia, as ondas aumentam de tamanho, também, nas demais áreas costeiras catarinenses e no litoral do Paraná com altura entre 2 e 2,5m.

No sábado, o mar ainda fica agitado nas praias do Sul do Brasil, mas a tendência é de diminuição da altura das ondas.

Sobre a Climatempo

Com solidez de 30 anos de mercado e fornecendo assessoria meteorológica de qualidade para os principais segmentos, a Climatempo é sinônimo de inovação. Foi a primeira empresa privada a oferecer análises customizadas para diversos setores do mercado, boletins informativos para meios de comunicação, canal 24 horas nas principais operadoras de TV por assinatura e posicionamento digital consolidado com website e aplicativos, que juntos somam 20 milhões de usuários mensais.

Em 2015, passou a investir ainda mais em tecnologia e inovação com a instalação do LABS Climatempo no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). O LABS atua na pesquisa e no desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes. Principal empresa de consultoria meteorológica do país, em 2019 a Climatempo uniu forças com a norueguesa StormGeo, líder global em inteligência meteorológica e soluções para suporte à decisão.

A fusão estratégica dá à Climatempo acesso a novos produtos e sistemas que irão fortalecer ainda mais suas competências e alcance, incluindo soluções focadas nos setores de serviços de energia renovável. O Grupo segue presidido pelo meteorologista Carlos Magno que, com mais de 35 anos de carreira, foi um dos primeiros comunicadores da profissão no país.