Pessoas magras também podem apresentar colesterol alto

Pessoas magras também podem apresentar colesterol alto

– Colesterol alto, na maioria dos casos, não dá sinais nem qualquer tipo de sintomas

 – 8 de agosto é o Dia Nacional de Combate ao Colesterol

Engana-se quem acredita que o colesterol é problema apenas de quem sofre de obesidade. Pessoas magras também podem apresentar colesterol alto e estar no grupo de risco de infarto e derrame”, alerta o Dr. Marcio Mancini, endocrinologista da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional São PauloSBEM-SP.

Essencial para o funcionamento do nosso corpo, o colesterol é um tipo de gordura que faz parte da estrutura das células do cérebro, nervos, músculos, pele, fígado, intestinos e coração. Ele também é importante para a formação de hormônios como a vitamina D e ácidos biliares, que ajudam na digestão das gorduras da alimentação.

Conhecido como colesterol mau, o LDL, sigla de low-density lipoprotein (lipoproteína de baixa densidade), está associado a risco de infarto do miocárdio e derrame (AVC) pois ele se acumula nas paredes das artérias bloqueando a passagem do sangue. “É muito importante que as pessoas saibam que o colesterol alto, na maioria dos casos, não dá sinais nem qualquer tipo de sintomas”, reforça o endocrinologista.

O HDL (high-density lipoprotein ou lipoproteína de alta densidade) é conhecido como bom colesterol porque ele faz um tipo de limpeza que vai retirando o excesso de gorduras e devolvendo para o fígado, órgão responsável por sintetizá-las.

A maioria dos pacientes tem colesterol alto por razões genéticas, fazendo com que o fígado produza mais colesterol do que o ideal. “Crianças também podem apresentar nível alterado de colesterol, mesmo as magrinhas. Já as crianças com obesidade certamente devem fazer o controle, pois o excesso de peso pode causar redução  do bom colesterol e aumento dos triglicérides (gordura no sangue)”, explica Dr. Mancini.

Tratamento – consta na manutenção de um estilo de vida saudável, com menor ingestão de gorduras de origem animal, prática frequente de exercício físico e horas regulares de sono. Para a maior parte dos casos são necessários medicamentos, que são seguros e eficazes para o controle do colesterol.