O autocuidado é uma exigência para manter a saúde mental

O autocuidado é uma exigência para manter a saúde mental

Os números são dados alarmantes e as notícias já tomam conta das políticas de saúde pública mundial e naturalmente, invade a cabeça de milhares de pessoas.

Dr. Diego Tavares, psiquiatra e especialista em depressão e bipolaridade do Hospital das Clinicas da FMUSP e o psicólogo Oswaldo M. Rodrigues Jr, de SP, comentam o desespero coletivo sob os aspectos da saúde mental.

A ansiedade é uma emoção muito normal ao ser humano, e surge comumente ao deparar com uma situação estressante, como a que o mundo vive agora diante de uma epidemia. “Quando há uma situação de ansiedade coletiva como essa que estamos vivenciando, isso é, várias pessoas preocupadas como um mesmo fato, as emoções e sentimentos podem ser potencializados e aflorados muito mais do que quando uma pessoa vive uma ansiedade sozinha, por exemplo”, explica o médico.

A ansiedade é muito próxima da preocupação, e a preocupação nada mais é do que um aspecto do medo, um temor de que as coisas piorem. “Todos esses componentes são necessários para a nossa evolução e sobrevivência. No caso do coronavírus, a preocupação é válida como forma de prevenção da disseminação do vírus, entretanto, o que não pode ocorrer é um exagero no tempo prolongado de ansiedade (a chamada ansiedade crônica) que aumenta o nível de tensão e o estresse interno e pode levar ao surgimento do medo específico ou até mesmo irreal e acarretar em outras doenças mentais mais graves”, comenta.

Essas crises, também chamadas de “ataques de ansiedade coletivo” produz o desconhecimento dos próprios sintomas. “Muitas vezes quem sente essa ansiedade coletiva já provou dos mesmos sintomas durante uma simples entrevista de emprego, por exemplo, mas quando é compartilhada entre outras pessoas que estão com a mesma sensação e pelo mesmo motivo, reproduz ainda mais o medo e a inquietude”, revela.

Dr Diego fala que é um ciclo vicioso. Se uma pessoa afetada começa a ter taquicardia, por exemplo, é provável que quem está do lado possa achar que estar sofrendo um ataque do coração, por isso se assusta, aumenta a ansiedade os quadros só pioram. “A chave para minimizar os ataques é reconhecer os sintomas para não ampliá-los e usar o momento para se proteger e resguardar”, diz o médico.

Para o psicólogo Oswaldo M Rodrigues Jr., o isolamento produzirá estados de humor que podem ser muito complicados, por isso que ponderar alternativas e olhar para os próprios sentimentos ajudarão para que emoções erradas não impulsionem ações desmedidas e com consequências nefastas. “É comum que os estados depressivos apareçam em poucos dias se instalando com o medo, a preocupação, o desemparo e a percepção de sermos incapazes. Nestas condições emocionais (medo, ansiedade constante, desamparo, depressão) teremos mais pessoas adoecendo fisicamente e assim, mais resfriados e somatizações ocorrerão”, alerta.

Sentimentos como frustração e da sensação de ser impedido de fazer o que se deseja fazer acaba fazendo com que as pessoas busquem justificativas e respostas para o que ainda não temos, isso só aumentará as emoções negativas. “Agora é hora de quarentena de saúde física, portanto, individualmente temos que cuidar de nossa saúde mental e preparar-nos para os próximos meses que precisaremos desenvolver as nossas capacidades pessoais de lidar com o desconhecido, é um bom exercício mental e emocional. Seremos fortes!”, finaliza o psicólogo.